5.2.10

UM POUCO DE TUDO.

O curso entrou numa fase difícil. A gente tem a impressão de poder compreender tudo e dominar a gramática, mas a língua francesa é cheia de exceções e você acaba se confundindo. A língua alemã em comparação tem regras rígidas, fixas (apesar das declinações) e pode parecer dura aos ouvidos, mas é mais sistemática, dá para seguir como se viesse com um manual de instruções. Tenho que ajustar o meu cérebro, colocar uma para dormir e outra para funcionar, mudar entonação, recusar o chucrute e aceitar o fois gras. Há progressos, e eles são audíveis.

Três amigos austríacos chegaram ontem a tarde para passar o final de semana comigo. O apartamento virou uma torre de babel, já que o Sebastien não fala alemão e eles não falam francês. Automaticamente passamos a usar o inglês como língua comum para que todos pudessem se entender. Mas a coisa não é tão simples assim. Quando uma das partes não entende o que a outra quer, faço o meio campo. Então meu cérebro tem que se desdobrar para passar a bola de um lado para o outro. Ainda não fui carregado de maca para fora do campo, mas ontem a noite depois de muitos goles de vinho, quase pedi para sair.

Escrevo este post enquanto aguardo entregadores da nova máquina de lavar encomendada por Sebastien. Os entregadores ligaram às 9 horas da manhã dizendo que estariam aqui até as onze. Acho que não há muita diferença entre entregadores de mercadoria no mundo inteiro, já passou do meio dia e nada dos sujeitos chegarem. Lá fora o sol brilha e eu gostaria de caminhar um pouco com ele aquecendo minhas costas.

Há uma discussão aqui sobre uma lei que tem como objetivo proibir o uso da burca. Estima-se que a vestimenta que cobre a mulher inteira permitindo apenas dois pequenos buracos para que ela possa enxergar é usada por apenas 300 mulheres aqui na França. Lógico que a lei está provocando discussões e ataques de todos os lados, direita e esquerda estão quase se pegando em ano eleitoral. Sarkozi foi entrevistado em programa exclusivo na semana passada, com a presença de 11 cidadãos representando a população francesa e lhe fazendo as mais variadas queixas e perguntas. Saboneteou todo mundo. Tem resposta para qualquer pergunta, mas como qualquer outro político, ignora o que lhe foi perguntado e responde o que quer. Sobre a burca fico pensando sobre a importância de uma lei feita com o intuito de proibir essas 300 mulheres de saírem de casa vestidas conforme suas crenças e cultura. A França é um país com tradição humanista, dá abrigo a imigrantes de todos os lugares do mundo, e nunca perdeu culturalmente, pelo contrário, os franceses cultivam seu passado, conhecem sua história e os novos franceses (filhos dos imigrantes) acabam incorporando costumes e cultura francesas em suas vidas. A quem interessa toda essa discussão? O presidente da Frente Nacional, partido ultra nacionalista do Jean Marie Le Pen vai de mal a pior, sua situação não é nada fácil. Ataca para todos os lados para atrair mais votos para seu partido moribundo. A esquerda, como em qualquer outro país, no momento continua perdida, não está sendo capaz de incentivar gente com valores éticos e morais a lutar por seus ideais. Sobra o partido pseudo chique, que pensa o mundo economicamente, que descarta qualquer posição humanista e visa um mundo do progresso, custe o que custar, onde o ser humano vale o que pode consumir.

Quase duas horas da tarde. Os entregadores da máquina de lavar roupas acabam de interfonar. À bientôt.

4 comentários:

Anônimo disse...

Aqui, continuamos agradecendo por ser um ano eleitoral....

オテモヤン disse...

オナニー
逆援助
SEX
フェラチオ
ソープ
逆援助
出張ホスト
手コキ
おっぱい
フェラチオ
中出し
セックス
デリヘル
包茎
逆援
性欲

Tarsila Marques dos Santos Tronca disse...

"Petit Sergiô",
ça vá? (não sabemos como se escreve...)
Somos absolutamente contra a burca, que para nós é o mais visível simbolo de opressão. Faça bonito neste curso e volte logo! Você faz muita falta por aqui...!
Bizusínhos!
Tronca mãe e Tronca filha caçula.

Anônimo disse...

mais tu est vraiment a Paris!!! Salut! je bois