8.1.09

SEGMENTINHOS

A síndrome da tela branca, aquela que (quase) todo escritor diz pelo menos uma vez na vida ter passado pode acontecer dentro da nossa cabeça também. Nos últimos dias uma tela branca se instalou dentro da minha. Acendeu sozinha. Não consigo pensar além do que devo e não devo fazer para cumprir as obrigações do dia. Criar alguma coisa é algo tão distante que tenho a impressão de que quando a tela resolver se apagar eu terei que ser reapresentado a mim mesmo. A noite estou cansado, e por mais que eu queira a tela continua ligada. Deve ser um período de transição entre o fim dos dias que passei na praia e os dias que ainda virão. Apesar de tê-la notado, faço de conta que ela não está me atrapalhando. Uma hora a energia dela se esvai por si só e eu reinício minha vida sem ela. Por enquanto vou cumprindo função. Faço o que devo fazer sem reclamar. Estou me estranhando.

Perdi meus óculos e sei exatamente onde os perdi. Eu os deixei sobre uma mureta quando resolvi trocá-los pelos escuros. Não vou encontrá-los nunca mais, alguém os levou embora, mesmo que eles não sirvam para os seus olhos.

No embalo do mundo da Maysa, se o meu mundo caiu, eu que aprenda a levantar... Adoro essa frase. Lembra um pouco a frase que meu pai me disse quando eu ainda era criança: se você brigar na escola e apanhar, vai apanhar de mim aqui em casa também. Suuuper educativa não? Antigamente era assim, os brutos também amavam. Mudou, não sei se para melhor ou pior. Há também outras formas dissimuladas de terror, mais sutis, que a gente só percebe quando está no meio da coisa. Ou nem percebe, só sente e continua no meio da coisa tentando sobreviver.

2 comentários:

Anônimo disse...

como não consigo escrever um comentário decente, escolho este texto para lhe enviar um grande abraço e desejar um 2009 em grande! :)

je bois (peut-être un peut trop :)

Monca disse...

passei os olhos por algumas de suas escrevinhações. podia ser eu escrevendo.
ideias parecidas, pais parecidos, silencios parecidos. acho que é da contemporaneidade também.
eu sou de 63. :-)

tava aqui no trabalho, nesse janeiro 'crisiático', deveras sossegado.. quando buscando outra coisa, caí aqui. bacana seu bloguito. juntei nos meus outros favoritos.

vai escrevendo que eu leio.