27.8.10

EM HONRA DO NOME

No início do ano quando vim para cá apenas para estudar e ainda não sabia que ficaria por aqui, conheci uma garota holandesa. Ela nasceu e cresceu nos países baixos, mas depois se mudou para a Austrália quando ainda era adolescente e agora vive em Paris. Seu nome é Valentine. Como eu ela veio para estudar, agora está também trabalhando para poder dar conta da independência que imagina para si, mora com dois rapazes que eu ainda não conheço. Nos vemos pelo menos uma vez a cada duas semanas. Ela é jovem, tem ainda apenas 25 anos e posso sentir toda a sua vontade de viver e experimentar a vida em nossas conversas. Observo também que às vezes ela deixa transparecer (mesmo sem querer) um misto de melancolia, medo e tristeza quando me fala de seus desejos e desafios. Vejo nela muito de mim. E vejo também nela o que já fui, deixei para trás, e não mais sou, seja porque com o passar dos anos fui aprendendo a lidar com minhas angústias e hoje elas se transformaram em minhas melhores amigas, seja porque desenvolvi um sistema próprio para enfrentá-las e mandá-las para o inferno quando elas resolvem querer mandar em mim. Hoje Valentine e eu nos encontramos para um café. Seu humor estava pouco estável, por hora o sol aparecia e seu rosto se iluminava, por ora o céu ficava encoberto e cheio de nuvens. Não posso dizer para ela o que meus amigos austríacos costumavam me dizer quando me sentia assim há 20 anos, que no final tudo dá certo. Sei que ela não me levaria a sério, acabaria achando que eu não consigo entendê-la. Consigo sim. Porque de vez em quando eu também sou Valentine, a diferença é que os meus 23 anos a mais me fizeram entender melhor a receita dos amigos austríacos. Nem tudo resulta como havíamos imaginado, mas caminhos vão se abrindo enquanto outros vão se fechando, e entre esse abre e fecha de porteiras é preciso insistir, não teimosamente ou de forma compulsiva, mas continuar a procurar saídas. Disse isso para ela hoje. E ela chorou copiosamente. Quando conseguiu controlar um pouco as lágrimas olhou para mim e disse: “que merda, vou ter que tentar o resto da vida?” Vai Valentine, vai ter que honrar esse nome lindo que você tem.

2 comentários:

Lícia. disse...

Ai, manda beijos pa Valentine.
Beijos.

Natasha disse...

que bonito! todo mundo é meio Valentine.