29.11.08

PUPI, A ECONOMISTA


Desde que as bolsas começaram a cair tenho ouvido muita gente falar e opinar sobre crise econômica. Nunca gostei do tema economia. O caderno econômico é o último que pego para ler no jornal, e mesmo assim, dou uma folheada e largo. Acho o assunto chato, empolado e virtual. Tenho a impressão que os economistas estão sempre apostando em alguma coisa que está condicionada a uma outra coisa, e que essa outra coisa é decorrência de algo que não aconteceu e que poderá acontecer se a conjuntura acompanhar a tendência mundial que é totalmente dependente dos movimentos regionais. Não. Ainda não enlouqueci. Na verdade acho que loucos são eles que tentam nos explicar alguma coisa que eles mesmo não dominam. Sei que a economia mundial está interligada em razão da globalização, e que o emprego de muita gente depende do crescimento ou pelo menos da manutenção dela. Mas sinceramente a economia não me interessa, mesmo sabendo que sou afetado diretamente por ela, e que posso ser o próximo. E também não acho que o Barack Obama vai ser o salvador da pátria. Acho que o buraco é mais embaixo. O nosso pelo menos é aqui no hemisfério sul, abaixo da linha do equador e portanto historicamente escolado para sobreviver as desvantagens que a política econômica dos países ricos nos impõe. Outro pensamento que venho ouvindo é o de que a crise vai nos fazer repensar sobre os porquês de termos chegado a esse ponto e então teremos a chance de reconstruir sociedades mais justas. Há, há, há. Não acredito em prognósticos messiânicos e muito menos em economistas messiânicos. Se são tão inteligentes e capazes de prever e gerir, por que então não fizeram nada antes? Ora, ora, não fizeram porque até agora estavam lucrando com toda a coisa. E é isso que importa no universo deles, tirar vantagem de uma situação. Se aposta muito, mas enquanto os valores das apostas sobem ou descem a engrenagem continua sendo lubrificada para não parar de funcionar. Então vou continuar a não fazer a menor questão de ler o que eles escrevem nos cadernos de economia. Vou guardá-los como faço desde que minha mãe adotou uma cachorrinha chamada Pupi: ela é tão mal acostumada que só faz suas necessidades sobre eles.

Um comentário:

Natasha disse...

'Na verdade acho que loucos são eles que tentam nos explicar alguma coisa que eles mesmo não dominam. ' concordo sem tirar nem colocar nada. A verdade é que os economistas vivem em um mundo que eles criaram, e as leis da natureza deles, não se definem, vivem na variável . Tomara que a pupis aproveite muito da economia.